O Marinheiro John Hopkins Que Salvou Muitas Vidas

Havia mais de duas mil pessoas somando passageiros e tripulação a bordo do Titanic em sua viagem inaugural, quando o transatlântico caiu em desgraça ao se chocar com um iceberg, e sofreu um trágico naufrágio em meio às águas internacionais. 

Entre todas essas pessoas tanto as 706 que tiveram a sorte de sobreviver ao desastre, quanto às outras tantas que afundaram junto ao navio existem ainda histórias que permanecem como mistérios para a atualidade. 

Uma delas, todavia, foi trazida à superfície em maio de 2016, quando esforços da Titanic International Society, que é uma ONG cujo objetivo é preservar a memória do célebre transatlântico, identificaram o túmulo de um herói esquecido da tragédia, O irlandês Robert John Hopkins.

Hopkins tinha 43 anos de idade quando embarcou no Titanic. Ele vivia nos Estados Unidos desde 1900, quando se mudou para o país norte americano com sua esposa Annie Graham Hopkins.

Em 1911, afinal, quando entrou a bordo do famoso transatlântico, John não estava ali a passeio, como muitos, e sim a trabalho, Ele era um marinheiro do Titanic. 

No fim, sua atuação acabou sendo de grande importância nos momentos de pânico que se seguiram após a tripulação perceber que o navio estava afundando, e começar a distribuir os passageiros entre os botes salva-vidas que, vale lembrar, não eram suficientes para todos. 

Hopkins foi designado para o bote 13, e após atingir o mar, percebeu a tempo que naquela correria para salvar quem fosse possível, outro bote já estava sendo preparado antes do deles ser liberado para flutuar para longe do navio. 

O número 15 poderia ter caído bem em cima de suas cabeças, não fosse à eficiência do marinheiro irlandês em cortar as cordas que os conectavam ao Titanic. Para tanto, ele usou o canivete de outra passageira que estava com ele, chamada Delia McDermot. Seus reflexos rápidos foram responsáveis por manter sãos e salvos os membros do bote 13. Mais tarde relatou suas experiências:

… Enquanto o bote salva-vidas afundava, notei, assim como os outros, que ele ia pousar bem embaixo do escapamento dos motores, o que com certeza o teria afundado. Liguei e o abaixamento foi atrasado o suficiente para corrigir isso. Então o barco numero 15 foi baixado quase em cima dele, sendo interrompido a tempo por uma chamada de baixo. Eu tive que cortar as cordas com minha faca. A queda do bote do convés para a água, em circunstâncias normais, era de 95 pés. Neste caso era muito mais, pois a proa na altura estava a afundar e a popa levantava-se bem alto. Mesmo assim, eu não pensava que ela fosse descer …

Não sendo obrigado a prestar depoimento no Inquérito Britânico ou Americano sobre o desastre, Hopkins recusou as ordens da companhia para navegar de volta para a Grã-Bretanha e sair da White Star Line, sem esperar nenhum alívio financeiro deles. 

Embora a experiência de um naufrágio seja marcada pelo trauma, Hopkins manteve sua profissão nos anos posteriores ao episódio. Ele passou o restante de sua vida trabalhando nos portos dos Estados Unidos, até que faleceu em 1943, aos 75 anos de idade. 

Giu Loffredo

Giu Loffredo

Escrito por

Giu Loffredo

Giu Loffredo

Compartilhe !

Compartilhe este conteúdo com os seus amigos e outros fans do nosso amado Titanic.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Mais Categorias

Descubra mais !

Outros Conteúdos