O Racismo Presente Nas Músicas Sobre O Titanic

No final dos anos 1960, a explosão da popularidade do rádio FM underground permitiu a transmissão de canções de uma duração que antes era inimaginável no rock (e, na maior parte, no folk). O (Alice’s Restaurant Massacree) de 18 minutos de Arlo Guthrie, mais popularmente conhecido simplesmente como (Alice’s Restaurant) pode ter sido o mais conhecido deles, seguindo um formato folk-blues solto e falante para retratar um divertido cachorro peludo de uma história.

Um pouco menos lembrado, embora também um grande favorito da FM em sua época, é (Legend of the U.S. Titanic) de Jaime Brockett, de 13 minutos. Como o (Alice’s Restaurant), também seguia um formato folk-blues falante e trazia referências contraculturais conhecidas. Ao contrário de Guthrie, no entanto, Brockett foi incapaz de desenvolver sua maratona de monólogo para sustentar uma longa carreira como artista musical. Na verdade, (Legend of the U.S.S. Titanic) nem era muito típico de seu trabalho, o resto de seu álbum de estreia inclinado para baladas folk introspectivas. Foi (Legend of the U.S.S. Titanic), no entanto, que a maioria dos ouvintes comprou o LP.

A música faz referência a Jack Johson, um boxeador americano que entrou para história ao ter se tornado o primeiro boxeador negro campeão mundial dos pesos-pesados, título este que foi conquistado em 1908 e mantido até 1915. A letra conta que Jack embarcaria no Titanic, mas teria sido impedido por um dos oficiais por conta de sua cor de pele.

No entanto, a história não é verdadeira. Em abril de 1912, quando o Titanic zarpou, Johnson estava nos Estados Unidos, provavelmente em sua cidade natal, Chicago, tentando arranjar uma luta pelo título naquele verão e se preparando para abrir sua boate lá, o Café de Champion, que abriu em julho. Johnson havia passado o outono anterior na Inglaterra e na França lutando em partidas de exibição, mas retornou a Nova York pouco antes do Natal de 1911 a bordo do navio Lloyd Kronprinzesen Cecille.

Poucos dias depois do naufrágio do Titanic, ele anunciou uma luta com Jim Flynn. Isso aconteceu em Las Vegas em 4 de julho de 1912. Sua biografia não menciona nenhum problema em conseguir uma vaga em navios no White Star ou qualquer outra linha, como também foi mencionado na letra da canção de blues (The Titanic), de Lead Belly.

Ambos os artistas provavelmente escolheram a figura de Jack Johson que na época estava em seu auge para representar em suas composições o racismo que os negros sofriam na época de forma muito mais intensificada e escancarada.

Até o momento não se tem registros se de fato algum passageiro no Titanic foi vítima de racismo ou qualquer outro tipo de discriminação, mas infelizmente não seria algo de se espantar uma vez que desde o inicio das grandes navegações e a escravização de negros na África, esse olhar de superioridade e inferioridade racial se tornou muito presente entre a burguesia europeia principalmente a partir do século XIX. O Titanic sendo uma representação marcante do que era a sociedade naquela época, é muito provável que situações infelizes como essas ocorreram inúmeras vezes dentro e fora do navio já começando pela segregação dura que existia entre as classes sociais.

Mesmo após 100 anos, a luta dos menos favorecidos dentro do (Capetalismo) persiste. É claro que evoluímos muito desde 1912, mas a herança discriminatória da escravidão (todas as relações com base na ideia de inferioridade dos negros que foram transmitidas) em conjunto com a falta de medidas e ações que integrassem os negros e indígenas na sociedade, como políticas de assistência social ou de inclusão racial no mercado de trabalho, gerou o que se entende por racismo estrutural, ou seja, uma discriminação racial enraizada na sociedade.

Isto é, o racismo estrutural não diz respeito ao ato discriminatório isolado (como xingar pejorativamente alguém por conta da cor da sua pele) ou até mesmo um conjunto de atos dessa natureza.

Ele representa um processo histórico em que condições de desvantagens e privilégios a determinados grupos étnico-raciais são reproduzidos nos âmbitos políticos, econômicos, culturais e até mesmo nas relações cotidianas. Para entender mais sobre o assunto eu recomendo a leitura do livro (Levanta Favela, Vamos Descolonizar o Brasil) da autora Flávia Pinto.

Música (Legend of the U.S. Titanic): https://www.youtube.com/watch?v=4XFYMjkFYPg
Tradução da letra (Legend of the U.S. Titanic): https://genius.com/Jamie-brockett-legend-of-the-uss-titanic-lyrics
Música e tradução da letra (The Titanic): https://www.encyclopedia-titanica.org/leadbelly-titanic.html

Giu Loffredo

Giu Loffredo

Escrito por

Giu Loffredo

Giu Loffredo

Compartilhe !

Compartilhe este conteúdo com os seus amigos e outros fans do nosso amado Titanic.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Mais Categorias

Descubra mais !

Outros Conteúdos